Acidentes Domésticos (com um final triste)

Slide1
 

Olá meninas,

O post de hoje é um alerta para todas as pessoas que tem crianças em casa, e que tem a responsabilidade de cuidar delas. Vou começar contando uma história muito triste me mexeu demais comigo, com os meus sentimentos, que me fez chorar e pensar muito sobre o assunto. Há algum tempo comecei a seguir uma moça no Instagram, o nome dela é Paula Miranda e pode ser encontrada no Instagram como @planetapaulaa. Ela está em busca de uma boa forma física e para isso ela tem uma alimentação saudável e pratica muito exercício, e ela compartilha no IG e no blog (www.planetapaula.wordpress.com) tudo sobre boa alimentação e exercícios para definição do corpo. Além disse ela é também maquiadora, mãe e esposa, como muitas de nós. Aparentemente a vida dela é perfeita, mas acompanhando o blog dela descobri que nem todas as coisas são como parecem ser. Vocês vão entender o porque depois de lerem o depoimento dela mesma contando um pouco da tragédia que aconteceu na vida dela. O depoimento foi tirado do blog dela e pode ser lido Aqui também ↓

“Me mudei para os EUA com meu filho único Igor de 3 anos e 10 meses por conta da profissão do meu marido, ele é lutador de MMA, lá o sonho parecia mais perto. Vendemos tudo que tínhamos aqui, tudo mesmo, fomos embora com duas malas e um sonho… Não tínhamos um local para morar definitivo assim que chegamos, pois as coisas se ajeitam aos poucos em situações como essa, então, ficamos hospedados na casa do dono da academia onde meu marido treinava diariamente, família com dois filhos, um de 12 e um de 10 anos, para o Igor foi a glória, ele convivia com os meninos e aprendia rápido, já soltava umas frases em inglês rsrsrsr… Claro que passávamos por dificuldades, mas tínhamos um ao outro. Desde que me casei com Vitor, decidi buscar esse sonho ao seu lado e foi isso que fizemos e fazemos até hoje…

Na manhã do dia 20 de junho de 2011, acordei cedo e fui correr, quando voltei meus amores ainda dormiam, preparei o café da manhã deles, passamos a manhã juntos, almoçamos e assistimos um filme os três, grudadinhos no sofá! Nessa época eu havia acabado de criar esse Blog, de lá, vendia maquiagens para as brasileiras, uma forma de tentar ajudar na renda já que não trabalhava ainda. Assim que o filme acabou, Vitor, meu marido, se ajeitou para o treino, isso eram 15:00, se despediu e partiu, mas antes, ele deixou 5 biscoitos para o Igor, que comeu ao meu lado no sofá… Só que nós não dormíamos na casa principal, lá, apenas usávamos a cozinha e a sala, dormíamos na casa da piscina, como uma peça com quarto e banheiro fora da casa, lá era nosso canto, dormíamos os 3 no chão. Assim que Igor acabou de comer os biscoitos que papai deixou, ele pediu mais e essas guloseimas (dele no caso) ficavam guardadas no quarto de fora, onde dormíamos… Ele me pediu:  ”posso buscar mais biscoitos?” eu respondi que sim, mas que viesse rápido…

Foi a última vez que vi meu filho com vida…

Dei falta dele uns 5 ou 6 minutos depois… Em um sobressalto, pulei do sofá e disse mentalmente: “a piscina!’ Mas já era tarde…. Da porta onde eu avistava a piscina, não pude ver o corpo dele lá dentro, mas vi seu par de chinelos boiando e tinha a certeza que ele estava lá… Não pensei, apenas pulei… Eu não sei nadar, mas me joguei dentro daquela água e quando abri os olhos, vi meu filho de bruços já no fundo… Em milésimos de segundo pensei: “isso é bom, se está no fundo acabou de cair, posso salvá-lo” puxei ele com todas as minhas forças para fora da piscina e quando olhei para ele só conseguia gritar a DEUS “não, não, não, meu filho não!!” Ele estava azul… Com os olhos semi cerrados e sem nenhuma reação… Em uma tentativa desesperada de salvar meu filho, apliquei as massagens cardíacas e a respiração boca a boca, tudo isso ao mesmo tempo que ligava para meu marido aos gritos… Gritos esses que jamais consigo esquecer o som, o som da minha própria voz… No mesmo instante Vitor acionou o 911 e eu continuei ali, de joelhos, sozinha em cima daquele que era tudo que eu tinha na vida, meu único e precioso filho, tentando com todas as minhas forças fazer ele ter uma reação que fosse… Sem sucesso, peguei ele no colo e saí pelas ruas do condomínio gritando por ajuda, foi quando um casal parou e aplicou as mesmas tentativas que eu já havia feito, nesse momento a ambulância chega e imediatamente eles constatam a gravidade e aplicam choques sobre o pequeno peito dele… Sem sucesso… Como uma tentativa de último recurso, aplicam uma injeção de adrenalina em seu pequeno coração e conseguem poucos batimentos… Nesse momento Vitor chega e eu jamais vou esquecer a cena do meu marido de joelhos no asfalto chorando e dizendo “nosso filho não, nosso filho não”.

Ali começou uma saga de 4 dias…

Igor foi levado para o melhor hospital de Boca Raton, teve acesso aos melhores especialistas, exames, recursos que vocês possam imaginar. Durante esses 4 dias a comunidade brasileira da cidade se comoveu e passamos a receber mensagens e visitas de pessoas que nunca havíamos visto, enquanto isso, pelo facebook (única forma de comunicação com nossos familiares) acontecia a maior corrente de orações que já presenciei…  Mas não somos nós que decidimos nada, na verdade, não somos nada… Na noite do dia 23, as 3:00 da manhã, eu fui até a UTI e segurei a mão dele ainda quente e disse: “meu filho, eu e papai vamos sofrer muito sem você aqui, mas se você precisa partir, vá…” Fiz isso porque queria meu filho perfeito e feliz, livre e sabia que naquela vestimenta carnal isso não seria mais possível… Na manhã do dia 24/06/2011 dia em que ele faria 4 anos, ele partiu…

O que ele nos deixou? Ah… tantas lições, tanto amor, tanta força, tanta paz…

Enterrei meu filho lá, pois na época era inviável trazê-lo para o Brasil e assim foi feito… Eu vi meu filho pela última vez dentro de um caixão branco, uma cena que jamais sai dos meus pensamentos…

Os meses que se seguiram foram de anestesia para nós e nossa família e a pior sensação que tive foi  desembarcar no Brasil com as mesmas malas, mas sem o que levei de mais precioso… Meu filho…

Hoje completam 2 anos e 3 meses que tudo isso aconteceu, eu tive a Nina, nosso renascimento, nossa alegria e vida! Hoje eu sorrio novamente, voltei a viver, mas posso dizer que não existe um dia em minha vida que toda essa cena não passe como um filme para mim… Eu choro escondida, eu não demonstro minha dor, porque eu decidi viver a minha vida, da melhor maneira possível, mas sem jamais deixar a memória dele partir, por isso eu escrevo, por isso desabafo com vocês, porque essa é minha história, minha vida, muito viva aqui dentro!

Eu falo do Igor como se ele estivesse aqui, quando vejo algo que sei que ele iria gostar, quando vejo um garoto parecido com ele, quando passo pelo biscoito na gôndola do supermercado, mas ninguém vê isso, só eu e meus pensamentos…

Ao passar por uma experiência dessa você é transformada para sempre e de uma forma brutal! O mundo passa a ter outro sentido e a vida muda para sempre… Eu sei que estarei velhinha chorando de saudade, porque para uma mãe, o tempo não passa…

Minha dor não é maior que todas, eu não sou melhor que ninguém, essa é apenas a minha história!”  Por Paula Miranda

Esse post foi escrito no dia 24 de Setembro de 2013 e fico arrepiada cada vez que leio. E tenho certeza que todas as mamães sentiram a mesma tristeza que senti ao terminar de ler essa história. As palavras da Paula nesse desabafo mexeram tanto comigo que no dia em que li mau consegui dormir de tão triste e chocada que fiquei. Em um primeiro momento pensei: Ufa… Ainda bem que não tenho piscina em casa!!! Mas por outro lado, comecei a pensar que piscina é apenas mais um lugar que pode ser um perigo para nossos pequenos, pois temos tanto outros dentro de casa e nem nos damos conta. E foi aí que comecei a pensar em tudo o que pode provocar um acidente doméstico podendo até tirar a vida dos nossos filhos e fiz uma pesquisa para saber mais sobre o assunto. E olhem só os dados estatísticos de acidentes domésticos e quantos perigos encontrei dentro da nossa casa:

Todos os anos, mais de 1 milhão de crianças menores de 15 anos são levadas para a emergência dos hospitais após sofrerem algum tipo de acidente doméstico. Fora os que são tratados em casa ou pelos seus pediatras.

Lesões acidentais são a maior causa de morte de crianças acima de 1 ano de idade. Crianças menores de 5 anos correm mais risco de sofrerem acidentes dentro de casa, e meninos são mais propícios a sofrerem esses acidentes do que as meninas.

Os acidentes mais severos que podem ocorrer com as crianças são: quedas de lugares como cadeiras, sofá, cama, e escadas (esse é um dos acidentes mais perigosos pois pode deixar sequelas ou até mesmo levar a morte), queimaduras com fogo ou água quente, aspiração pela boca ou nariz de pequenos objetos como brinquedos, grãos, isopor, espuma ou qualquer outra coisa que possa impedir a respiração da criança, engolir objetos perigosos como baterias de relógio, imãs, remédios e produtos químicos. Além desses, existem muitos outros perigos escondidos dentro de casa.

Os lugares onde mais ocorrem esse tipo de acidente são cozinha e banheiro. E são, sem dúvida, os mais prejudiciais também, pois na cozinha encontra-se objetos cortantes, panelas quentes e algumas vezes até mesmo produtos de limpeza e remédios que também podem ser encontrados nos banheiros. Para evitarmos acidentes domésticos entre as crianças, algumas medidas devem ser tomadas:

  • Coloque portões de proteção nas escadas
  • Trave todas as portas de armário que possam conter algum produto de limpeza ou substância química
  • Nunca segure comida/bebida quente e a criança no colo ao mesmo tempo
  • Sempre cheque a temperatura dos alimentos e das bebidas que está servindo para as crianças
  • Deixe facas, tesouras, fósforos e isqueiros em lugares seguros onde as crianças não possam alcançar
  • Evite colocar sofás embaixo de janelas
  • Use telas de segurança nas janelas e sacadas (lembre-se de checar regularmente as condições da tela, e se houver algum dano troque-a imediatamente)
  • Feche as tomadas inutilizadas da casa com protetores
  • Mantenha sempre o chão livre de brinquedos ou qualquer outro objeto que possamos tropeçar ou escorregar
  • Mantenha o chão seco
  • Nunca coloque o bebê para dormir em uma cama sem proteção, mesmo que ele ainda não se vire sozinho
  • Guarde remédios em suas embalagens originais e em lugares seguros, onde as crianças não possam alcançar
  • Nunca diga à criança que remédio é “doce”
  • Não deixe de cuidar dos seus filhos por nenhum momento. Esteja sempre observando o que eles estão fazendo, onde estão brincando, o que estão comendo, onde estão mexendo. Esse é a melhor e mais segura forma de manter seus filhos longe dos acidentes  domésticos.

Caso algum acidente ocorra com um dos seus filhos, não entre em pânico. Com calma cheque a lesão ou remova imediatamente a causa de um engasgamento ou asfixia. Se necessário peça ajuda ou chame uma ambulância. Em caso de desmaios ou se a criança não estiver respirando ligue para o serviço de emergência imediatamente.

Os acidentes aqui listados são os mais comuns, mas muitos outros podem ocorrer dentro de casa, por isso previna-se dos acidentes tornando sua casa um lugar seguro e estando sempre perto dos seus filhos.

Pois é mamães, o perigo está tão perto de nós e muitas vezes não conseguimos enxergar. A Paula não foi irresponsável ao permitir que seu filho fosse na casa da piscina sozinho, ela, assim como a maioria de nós, não enxergou aquela piscina como um perigo, assim como não enxergamos tantas coisas dentro da nossa casa como uma fonte de acidente e não nos preocupamos e dar a devida atenção quando as crianças estão por perto. O que aconteceu com o Igor foi uma fatalidade, infelizmente ele não sobreviveu ao acidente. Os acidentes podem acontecer em qualquer lugar e devemos estar atentas!!

Espero que esse post com a história da Paula e com as dicas para se evitar os acidentes domésticos tenham mexido com todas as mamães e aberto seus olhos para os perigos que temos dentro de casa!!!

Paula, obrigada por permitir o blog Virtude & Formosura divulgar sua história e compartilhar da sua dor!!! Que Deus abençoe você e sua família te dando cada dia mais forças para superar tudo isso!!!

Fiquem com Deus e até a próxima!

Xoxo 😉

 

 

Christine

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *